Resistência Arco Íris

Resistência Arco-Íris

Notícias

 

A homofobia internalizada (HI) designa um estado conflituoso em que a sexualidade em relação à própria orientação sexual é avaliada negativamente por aquele que a vive. Sua origem pode se dar devido a uma série de fatores, especialmente em decorrência de estigmas sociais e culturais. A HI leva a uma prática da própria sexualidade dividida entre realização sexual e/ou romântica contrabalanceada por sentimentos de culpa, vergonha, baixa autoestima e autodepreciação.

...

Aqui no Brasil, um estudo[1] propôs traduzir o EAH no modelo de 7 questões, após a tradução feita, avaliar seus resultados. Nesta versão, as perguntas se dividiam em 3 enfoques: (1) o conforto social com outros homens gays (estar em lugares frequentados por gays, como bares e festas), (2) identificação pública como gay (o conforto em se discutir a homossexualidade em público ou ser identificado abertamente como gay) e (3) o conforto com a identidade gay (o conforto com a própria sexualidade e a crença de que a homossexualidade é tão natural quanto a heterossexualidade).A tradução proposta pelo estudo foi a seguinte:

Leia mais em:

Tradução em português e validação de uma Escala de Atitudes sobre a Homossexualidade | Prep Brasil Profilaxia Pré Exposição

 

O Cine CEAM de junho exibe o documentário “Chega de Fiu Fiu” (2018, 73 min), de Amanda Kamanchek e Fernanda Frazão.

O cineclube acontece no dia 22 de junho, quarta-feira, às 14h, com entrada gratuita e classificação etária de 14 anos.

Após a exibição haverá bate-papo.Por meio de imagens coletadas por câmeras escondidas, o filme acompanha o dia a dia de três mulheres, vendo como a violência de gênero é constantemente praticada no espaço público urbano.

Especialistas discutem o assunto, buscando encontrar respostas e alternativas para a uma questão fundamental: as cidades foram feitas para as mulheres?

O doc tem participação da filósofa e escritora Djamila Ribeiro.O Cine CEAM é uma parceria entre CEAM – Centro Especializado em Atendimento à Mulher e o Núcleo de Cinema e Educação/Núcleo de Cineclubes de Niterói (NuCiNi)/ Subsecretaria de Projetos Transversais, Cooperação e Articulação Institucional/ Secretaria Municipal de Educação.

O CEAM fica na Rua Cônsul Francisco Cruz, 49, Centro, Niterói (próximo à Rua São João).

De acordo com estudo conduzido por Yung-Feng Yen, do Taipei City Hospital, em Taiwan, gays e outros homens que fazem sexo com homens (HSH) que vivem com HIV e sofrem de depressão são até quatro vezes mais propensos a apresentar baixa adesão à terapia antirretroviral (TARV). O ensaio, divulgado em fevereiro de 2022, no Plos One Journal, também apontou que os pacientes que não tomavam antidepressivos tinham pior qualidade de vida relacionada à saúde psicológica e social em comparação com os que usavam os medicamentos.

Leia mais em:

HSH que vivem com HIV e sofrem de depressão são mais propensos à baixa adesão à TARV – Imprep

Mulheres que vivem com HIV são significativamente mais propensas a serem diagnosticadas com diabetes tipo 2 do que homens e mulheres HIV negativo. Esse foi o principal resultado encontrado por um estudo que envolveu quase 40 mil participantes nos Estados Unidos, conduzido por Morgan Birabharan, da Universidade da Califórnia (EUA), e publicado, em 19 de maio de 2022, na revista AIDS.

Entre 2016 e 2021, foi recrutado um total de 39.485 participantes vivendo com HIV que foram comparados com 191.827 pessoas sem o vírus. Os voluntários que vivem com HIV eram mais jovens (87% com menos de 65 anos contra 70%), entre pardos e negros (43% contra 12%) e com maior tendência a fumar (55% contra 32%). Pouco mais de 24% dos voluntários vivendo com HIV eram mulheres, em comparação com 56% do grupo HIV negativo.

Leia mais em

http://imprep.org/2022/06/21/diferencas-na-prevalencia-de-diabetes-tipo-2-por-sexo-entre-pessoas-que-vivem-com-hiv-2/?fbclid=IwAR1tbMe5LI4whLutwHG6pRM-LLt_Og-2ckfGCGt9LCn33SvCveZis--R6Sg

 

Uma de nossas grandes potências na luta pelos direitos humanos e das pessoas LGBTQIAP+, especialmente das pessoas travestis e transgênero, nos deixou tão precocemente. Alessandra Ramos, partiu no dia 15/05/2022, dia Nacional do Orgulho de Ser Travesti e Transxual. Reproduzimos a nota de pesar do Grupo Arco-Íris que homenagea  a produtora cultural e ativista e narra com louvor seu rico percurso.

Alessandra Ramos Makkeda, presente!

NOTA DE PESAR

Alessandra Ramos (Makkeda) - 08/10/1981 – 15/05/2022

O Grupo Arco-Íris está de luto e lamenta a partida precoce da doce e querida Alessandra Ramos na tarde deste domingo. Segundo a família, ela não estava se sentindo bem e na tarde de domingo teve um mal súbito, vindo à óbito. Ela iniciou sua trajetória ativista no Grupo Arco-Íris, ainda antes de sua transição, em meados dos anos 2000, participando de atividades comunitárias, dentre estas como intérprete de Libras no projeto de prevenção voltado para homens gays surdos e na organização da Parada do Orgulho LGBTI+ do Rio.

Após sua transição para o gênero feminino, passando por altos e baixos, atuou no Programa Rio sem Homofobia, no Conselho Estadual LGBTI+, no Grupo Pela Vidda RJ, Criola, Fórum TT do RJ e por entre várias instituições e redes da sociedade civil organizada, tendo se tornado uma das mais expoentes e potentes vozes negras do Movimento LGBTI+ Brasil. Dotada de um carisma e inteligência ímpar, falava vários idiomas e participou de várias atividades em redes nacionais e internacionais nos movimentos sociais. Com forte atuação no controle social da saúde e no movimento de prevenção ao HIV/AIDS, atuava como uma das coordenadoras de mobilização comunitária do projeto ImPrEP Brasil, do INI-Fiocruz.

Fundou e presidiu o Instituto Transformar Shelida Ayana, um coletivo de Mulheres e Homens Trans, Transmasculines, e Travestis, atuando no combate à LGBTIfobia, na promoção dos direitos humanos e no combate à desigualdade racial e de gênero. Além disso, era Coordenadora da Área de Mulheres Trans da Aliança Nacional LGBTI+ e ainda grande parceira do Movimento de Homens Trans e pessoas Transmasculines, especialmente da Liga Carioca Transmasculina João W. Nery. Também era uma voz importante na luta pelos direitos da população LGBTI+ encarcerada, participando de diversos espaços de debate junto à Gestão Pública do Sistema Penitenciário. Foi assessora parlamentar do então Dep. Federal Jean Wyllys e atualmente era assessora da Dep. Estadual pelo Rio de Janeiro Dani Monteiro do PSol.

Grupo Arco-Íris de Cidadania LGBTI+

Apoio